Exposição em Londres – Frieze 2018

A maior exposição ao ar livre de Londres está de volta!

São 25 esculturas de várias gerações de artistas do mundo inteiro explorando conceitos, formas e idéias que se trasnformam em arte!

Uma exibição bem diversa e variada!

Curtam as fotos!

frieze 2018 seer alice I 2
S1: Kiki Smith, ‘Seer (Alice I)’, 2005, Timothy Taylor, London – A estátua foi inspirada nos contos de Alice, de Lewis Carroll, no episódio em que ela nada numa piscina feita de suas próprias lágrimas, dando à artista imaginação para explorar a feminilidade.
frieze 2018 holiday home
S2: Richard Woods, ‘Holiday Home (Regent’s Park)’, 2018, Alan Cristea, London – A pequena casa, sem portas nem janelas, representa o mercado em expansão de casas de veraneio em meio à crise de ofertas do mercado imobiliário.
frieze 2018 the intermediary family
S3: Bharti Kher, ‘The Intermediary Family’, 2018, Hauser & Wirth, London – Uma família de desgarrados, forasteiros, mistura de raças e classes. São como alquimistas e seus elixirs de cura e os mágicos com seus truques de desaparecimento e invocam seu lado místico.
frieze 2018 the untitled
S4: Virginia Overton, ‘Untitled (122 x 244 View)’, 2018, White Cube, London – A estrutura de aço com tubos de diferentes diâmetros empilhados cria uma espécie de parede de anéis ondulantes que oferece diversos pontos de vista do parque.
frieze 2018 penguin 2
S5: John Baldessari, ‘Penguin’, 2018, Marian Goodman Gallery, London – A escultura é feita de poliuretano, material usado na fabricação de carros de alta velocidade, o que atribui a ela força e leveza.
frieze 2018 Shadow Stack
S6: Sean Scully, ‘Shadow Stack’, 2018, Blain|Southern, London – A escultura nasceu da preocupação do artista com o horizonte e a forma “empilhada” tem uma relação com com sua experência trabalhando com máquinas de empacotamento.
frieze 2018 The Third Line
S7: Rana Begum, ‘No. 814’, 2018, The Third Line, Dubai, Kate Macgarry, London and Galerie Christian Lethert, Cologne – O trabalho é centrado na comunicação entre luz e cor que permite ao espectador interagir e ver as sutis alterações da escultura.
frieze 2018 everything is lost 2
S8: Tim Etchells, ‘Everything is Lost’, 2018, Vitrine Gallery, London – A frase parece flutuar na paisagem e as letras colocadas de maneira desconectada como se estivessem se perdendo, criando incerteza e ambiguidade.
frieze 2018 il Volatile 3
S9: Kathleen Ryan, ‘il Volatile’, 2018, Josh Lilley Gallery – A obra é uma combinação de objetos encontrados e outros transformados que são a assinatura da artista.
frieze 2018 London Rococo
S10: Dan Graham, ‘London Rococo’, 2012, Lisson Gallery, London – Os pavilhões feitos de aço e vidro misturam arte e arquitetura produzindo efeitos visuais diversos.
frieze 2018 Dancing Clog Girls
S11: Laura Ford, ‘Dancing Clog Girls I-III’, 2015, New Art Centre, Salisbury – As bonecas com rostos inexpressivos parecem dançar e as raízes que saem de seus tamancos indicam que estão presas à terra. O vazio das figuras abre espaço para interpretações.
frieze 2018 A Needle Woman
S12: Kimsooja, ‘A Needle Woman: Galaxy was a Memory, Earth is a Souvenir’, 2014, Axel Vervoordt Gallery, Antwerp – A artista considera essa escultura como um símbolo do seu corpo. Ela foi tratada com engenharia molecular para maximizar a refração da luz natural e, semelhante ao que ocorre com as asas das borboletas, a cor é fisicamente interativa.
frieze 2018 A Moment Without You
S13: Tracey Emin, ‘A Moment Without You’, 2017, White Cube, London – Pequenos pássaros no topo de postes com 4 metros de altura. A artista encoraja os transeuntes a parar e contemplar, pensar nos entes queridos, conectando as pessoas apesar das distâncias. Os pássaros são como anjos e representam liberdade.
frieze 2018 Outdoor Miner
S14: Simon Periton, ‘Outdoor Miner’, 2018, Sadie Coles HQ, London – O trabalho feito com cortes de aço representa uma peça de Art Nouveau em forma de uma folha gigante rendilhada por pequenas veias coloridas.
frieze 2018 Stress
S15: Yoan Capote, ‘Stress’, 2004, Ben Brown Fine Arts, London – Milhares de dentes recolhidos em clínicas e escolas de medicina, em Cuba, incluindo seu próprio ciso, foram usados pelo artista como modelos para os de bronze que intercalam os blocos de concreto e simbolizam a dificuldade de se expressar sob pressão.
frieze 2018 Rebar 12
S16: Monika Sosnowska, ‘Rebar 12’, 2017, Hauser & Wirth, London – As barras de aço suspensas representam leveza e flexibilidade.
frieze 2018 Optic Labyrinth
S17: Conrad Showcross, ‘Optic Labyrinth (Arrangement I)’, 2018, Victoria Miro, London – O pequeno labirinto envolve-se diretamente com a posição do sol e evoca a movimentação das pessoas em relação ao astro rei.
frieze 2018 Parallax
S18: Michele Mathison, ‘Parallax’, 2018. Tyburn Gallery, London – As réplicas de lâmpadas de rua simbolizam a infra-estrutura falida e as áreas negligenciadas de Harare e Joanesburgo.
frieze 2018 Large Nijinski
S19: Barry Flanagan, ‘Large Nijinski on Anvil Point’, 2001, Waddington Custot, London – A lebre em cima da bigorna é uma homenagem ao dançarino russo Vaslav Nijinski (1889-1950).
frieze 2018 Pact
S20: Hugo Wilson, ‘Pact’, 2017-2018, Parafin, London – O artista construiu uma realidade surreal a partir de diversos materiais que não conseguem ser identificados na obra, significando que o todo é maior que a soma de suas partes.
frieze 2018 Si par une nuit d'hiver un voyageur
S21: Elmgreen and Dragset, ‘Si par une nuit d’hiver un voyageur’, 2017, Perrotin, Paris – O urubu em bronze sentado no galho seco da árvore representa os críticos de arte assim como a crítica de si próprio.
frieze 2018 Senzenina
S22: Haroon Gunn-Salie, ‘Senzenina’, 2018, Goodman Gallery – Os homens sem cabeça em posição de rendição encarnam o massacre de Marikana, na África do Sul, em 2012, quando policiais atiraram mineiros que estavam fazendo greve.
frieze 2018 TREADPAD B
S23: James Capper, ‘TREADPAD B – PAIR 2 WALKING SHIP 40 TON STANDARD DISPLACEMENT 4 LEG (DIA 1800)’, 2018, Hannah Barry Gallery, London – A escultura é uma espécie de diálogo entre a biomecânica e o ser humano.
frieze 2018 Corine Mezzetino Chinoisie
S24: Rachel Feinstein, ‘Corine’, ‘Mezzetino’, ‘Chinoisie’, 2018, Gagosian Gallery, London – Os pedestais, baseados em figuras da commedia dell’arte, são uma espécie de bancos de jardins.
frieze 2018 PAN AFRICAN FLAGS
S25: Larry Achiampong, ‘PAN AFRICAN FLAGS FOR THE RELIC TRAVELLERS’ ALLIANCE’, 2018, Copperfield, London – As bandeiras têm 54 estrelas que representamas nações africanas. As cores verde, preta e vermelha refletem sua terra, seu povo e suas lutas, e o amarelo ouro representa um novo dia e prosperidade.

A exposição fica no England’s Gardens do Regent’s Park até o dia 8 de outubro de 2017.

Para chegar use as estações de metrô:

  • Regent’s Park (linha Bakerloo)
  • Baker Street (linhas Bakerloo, Jubilee, Metropolitan, Circle e Hammersmith&City)

Baixe o aplicativo para acompanhar com áudio guia no seu celular:

https://web.artimbarc.com/

 Vem passear comigo em Londres!

Passeios guiados privados e personalizados com apoio local de uma guia brasileira que mora em Londres há mais de 20 anos!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.